Pular para o conteúdo principal

Um tempo que não existe mais

Ouvindo uma palestra de Leandro Karnal. E nessa palestra comentou sobre Zygmunt Bauman, um sociólogo e professor da London School of Economics, um intelectual muito respeitado que publicou no livro Amor Líquido, a ideia de mundo liquido. Onde as relações terminam de maneira muito rápida, como se o mundo estivesse em um processo liquidez. E observando esses aspectos e obviamente me baseando nos comentários de Karnal, passei a analisar tudo ao meu redor.
Observando meu filho mais velhos, vejo que fui educado e preparado para um tempo em que não existe mais. E que o tempo que era meu, onde teria a idade que ele tem hoje, muitas coisas inclusive, coisas como a casa onde fui criado, ou vivi meus primeiros 5 anos de vida, em Guaianazes, um lugar chamado Vila Nanci, não existe mais. O prédio onde brincava entre os meus 10 e 15 anos de idade, também não existem mais. E tenho certeza que se sair voltando aos lugares por onde passei, certamente algumas construções já não existem mais.
A evolução social e a construção de novas ferramentas, fazem parte do processo de desintegração ou desconstrução do que foi criado ou aprendido para que se crie algo novo. Esse algo novo entra de maneira tão simbiótica em nossas vidas, que não percebemos como esse processo vai ocorrendo. As pessoas com dificuldades naturais a adaptação desse contexto, entram em um processo de depressão inconsciente, e começam a reclamar da solidão em que estão vivendo. Porque foram criadas e educadas para um mundo sinestésico.
Posso me equivocar, mas tenho observado que a maioria das pessoas que reclamam das ferramentas da internet e do uso acentuado dos smartphones, geralmente, usam o termo: “no meu tempo”. Senão usam esse termo defender que o uso é um isolamento cibernético. Do meu ponto de vista, essas pessoas geralmente não tem a percepção de que se trata de um nível de relacionamento que mescla, o virtual como o real de maneira tão simbiótica, que essas adaptações fazem com que o indivíduo que faz uso de um game (como exemplo) e joga com outras pessoas no mundo cibernético tem no seu contexto a mesma sensação que uma pessoa tem ao perceber que alguém que gosta muito chegou a sala ou ao jogo, sem se importar se é real ou virtual.  Algo como: “Manooo, o Eslavok chegou. Agora vamos virar esse jogo”.
Se pudéssemos observar as sensações hormonais dessas pessoas, eu tenho certeza que são as mesmas, talvez com baixa taxa de diferença entre o real e o virtual. Mas seriam as mesmas. É a adaptabilidade desse mundo novo.
Eu fui preparado para um mundo onde a máquina de datilografar, era o primeiro dispositivo na formação para inclusão de um indivíduo no mercado de trabalho, algo que hoje não existe mais. Fui preparado para um mundo sinestésico, onde as relações interpessoais eram mais importantes que um e-mail, um vídeo ou um like no facebook. E olha que me lembro do Orkut. Tudo transacionou de maneira tão rápida que nem percebi que o mundo para o qual fui preparado se desintegrou dando nova forma ao mundo que estamos hoje. Há um processo constante de desintegração de mundos e criações de novos na linha do tempo, tal qual a percepção que se tem do seu timeline no facebook.
Analisando por esse contexto, esse texto já se liquefez-se no momento em que você o terminou de ler. Essa é a velocidade do mundo...

Comentários

  1. Não sei se me agrada esse mundo que se liquefaz!!! Gosto de rir, conversar e as relações pessoais estão sendo mortas. Na verdade 90 % das pessoas usam redes sociais ou para se gabar, ou mentir, ou ficar de indiretas ou de mimimi.
    Minha mãe reclamou do tal do zap(e pra mim o melhor zap é o que é maior que o sete copas!) e eu me vi obrigada a falar a verdade à ela e ainda pude ironizar: Pff você entrou no zap achando que ia ter cultura???
    Fico muitoooo em computador! Mais do que deveria, mas realmente preciso por enquanto! Mas estou ficando de saco bem cheio e se eu fosse o Papai Noel poderia dar presente para todas as crianças do mundo com o meu saco cheio.
    Mas o que vocÊ disse é realmente verdade, infelizmente é! Muitas coisas boas estão sendo perdidas ou jogadas fora.
    Posso fazer um pedido? Não pare de escrever!!! Assim como eu e minha solidão encontramos você alguém mais pode te encontrar! :}

    Um Abraço,

    Carolina Beatriz

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você não gosta de ser fotografado.

Não poderia deixar de escrever esse texto... É mais um registro para pequenas coisas que acontecem em nossas vidas que merecem um registro para posteridade, ainda mais que temos tantas e tantas formas de manter nossas vidas registradas e compartilhadas. Oscar Niemeyer viveu 104 anos e faltando 10 dias para completar seus 105o. Aniversário, veio a falecer e deixou a seguinte mensagem: “... Porque eu acho que a vida é assim. A gente tem que separar as coisas. A vida é chorar e rir a vida inteira. Aproveitar os momentos de tranqüilidade e brincar um pouco. Depois, os outros é aguentar. A vida é um sopro né?”. Antigamente tirar uma fotografia era coisa tão cara que as fotografias eram póstumas. Essas fotos se chamavam Post Mortem. A foto era tirada da pessoa morta como se estive viva. Eles vestiam o morto e colocava em uma posição, como se estive vivo e fotografavam. Com o passar dos anos e a evolução tecnológica qualquer celular básico tem uma câmera. E os smartphones tem capacidade de tira…

Você sabe o que é miopia de alto grau? Fale como o Ramiro Diz.

Tenho um amigo que trabalha comigo que usa óculos desde de os sete anos de idade. Como ele morou  em Portugal... Seus parentes são portugueses.. Oras pois!

Ramiro Diz pá! é o nome do gagio!


Hoje, ele usa 22,0 graus de miopia. Me contou que usa óculos desde os 7 anos de idade. Seu grau de miopia nesta idade já chegava aos 12 graus.

Quando foi ao oftamologista pela primeira vez, este receitou inicialmente um grau abaixo do que ele usava para que se acostumasse com o óculos. Um pouco de psicologia infantil para ajudar o menino a enxergar e brincar.

Eu também sou miope, uso 4 graus de miope em ambos os olhos, comecei a usar óculos aos 18 anos  de idade, mas nestes números o Ramiro saiu na frente disparado logo ao 7 anos de idade... 12 graus! é muita coisa!

Mas graças a tecnologia podemos enxerga com tranquilidade, usando um belo e estiloso de um par óculos.

Hoje óculos é item de moda, tem muitas pessoas que usam a armação apenas como adereço... Isso mesmo! Usam o óculos sem grau! Só pra f…

MATANDO UM LEÃO POR DIA...

Eu gosto de escrever meu próprios artigos, mas algumas vezes recebemos alguns emails que trazem consigo uma lição de vida tão interessante, que alguns que recebo, passei a colocá-los no Blog. 
Eu estava na casa da Minha Elaine, quando ela começou a ler o texto em voz alta, estando ela sentada no chão na sala. Não posso negar que ela me conhece bem, tenho certeza que ela o fez sabendo que isso iria me chamar a atenção. Pensei... Por traz deste texto tem algo interessante. Assim que ela terminou o texto, falei: Manda pra mim por favor?
Bom... Veja o texto na integra...

MATANDO UM LEÃO POR DIA ... Em vez de matar um leão por dia, aprenda a amar o seu. Por Pierre Schurmann
Outro dia, tive o privilégio de fazer algo que adoro: fui almoçar com um amigo, hoje chegando perto de seus 70 anos. Gosto disso. São raras as chances que temos de escutar suas histórias e absorver um pouco de sabedoria das pessoas que já passaram por grandes experiências nesta vida.
Depois de um almoço longo, no qual falamos…