Pular para o conteúdo principal

Aprendendo pela simplicidade


Me peguei pensando em uma das muitas conversas que tenho com as pessoas com quem trabalho. Percebi que em um dado momento da conversa a pessoa com quem falava ficou muito triste. E aquilo me incomodou, pois achei que deveria fazer algo para reverter aquele sentimento, visto que no ar vinha um sopro de inconformidade do qual acreditei que seria duro reverter, mas que não poderia desistir. Afinal é meu papel motivar as pessoas. Sempre acreditei nisso. Independente da minha função, do meu trabalho. Como um ser humano que se incomoda com o próximo, é função, é papel dele fazer algo.
Entre outras conversas falei: “Você precisa entender que não são os tombos que você tomou que irão determinar sua vitória ou derrota. Mas sim, sua capacidade de se manter em pé, de se levantar a cada tombo”. É mais uma daquelas frases motivacionais do personagem Rocky Balboa em seus “Rocky Balboa inspirational speech”.
Ao ouvir essa frase a pessoa parou, me olhou fixo e disse: Esta não é a primeira vez que caio, já cai outras vezes e estou percebendo que tem algo de errado na minha estratégia. É como se eu estivesse em uma frente de batalha e enviasse dez soldados para o combate e voltasse sozinho. E depois foram comigo mais vinte e novamente voltei sozinho. Não consegui salvar nenhum e voltei porque era preciso voltar. Ou seja, tem algo de muito errado na minha estratégia. Estou vendo que da maneira que está indo, posso mandar cem, duzentos soldados e todos irão morrer e quem sabe nem eu volte! Estou passando por um momento em que preciso replanejar. Está tudo errado. Vou rever e fazer uma nova estratégia e se der errado, tenho que aceitar que essa batalha está perdida. E partir para outras batalhas porque a guerra não está perdida.
Depois de ouvir isso, percebi que não se tratava de baixa ou alta estima, mas uma tristeza consciente de quem fez tudo para dar certo e percebeu que uma manobra errada pós tudo a perder. Foi nessa hora que o entrevistador virou entrevistado. E um pequeno intervalo de silencio tomou conta, antes das coisas voltarem ao normal e cada um voltar ao seu papel. Percebi que na situação cabia uma mão amiga e uma promessa de trabalho em conjunto. E foi feito.
Em situações como essa é que se aprende muito pela simplicidade da conversa e pela paciência em ouvir.
Nem todas as histórias são felizes, mas trabalhando é possível reverter o momento e fazer com que seja apenas um trecho de uma longa história com final feliz.
Fique à vontade para deixar seus comentários...
Muito Obrigado por ler Meu Blog e até me próximo texto!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você não gosta de ser fotografado.

Não poderia deixar de escrever esse texto... É mais um registro para pequenas coisas que acontecem em nossas vidas que merecem um registro para posteridade, ainda mais que temos tantas e tantas formas de manter nossas vidas registradas e compartilhadas. Oscar Niemeyer viveu 104 anos e faltando 10 dias para completar seus 105o. Aniversário, veio a falecer e deixou a seguinte mensagem: “... Porque eu acho que a vida é assim. A gente tem que separar as coisas. A vida é chorar e rir a vida inteira. Aproveitar os momentos de tranqüilidade e brincar um pouco. Depois, os outros é aguentar. A vida é um sopro né?”. Antigamente tirar uma fotografia era coisa tão cara que as fotografias eram póstumas. Essas fotos se chamavam Post Mortem. A foto era tirada da pessoa morta como se estive viva. Eles vestiam o morto e colocava em uma posição, como se estive vivo e fotografavam. Com o passar dos anos e a evolução tecnológica qualquer celular básico tem uma câmera. E os smartphones tem capacidade de tira…

Você sabe o que é miopia de alto grau? Fale como o Ramiro Diz.

Tenho um amigo que trabalha comigo que usa óculos desde de os sete anos de idade. Como ele morou  em Portugal... Seus parentes são portugueses.. Oras pois!

Ramiro Diz pá! é o nome do gagio!


Hoje, ele usa 22,0 graus de miopia. Me contou que usa óculos desde os 7 anos de idade. Seu grau de miopia nesta idade já chegava aos 12 graus.

Quando foi ao oftamologista pela primeira vez, este receitou inicialmente um grau abaixo do que ele usava para que se acostumasse com o óculos. Um pouco de psicologia infantil para ajudar o menino a enxergar e brincar.

Eu também sou miope, uso 4 graus de miope em ambos os olhos, comecei a usar óculos aos 18 anos  de idade, mas nestes números o Ramiro saiu na frente disparado logo ao 7 anos de idade... 12 graus! é muita coisa!

Mas graças a tecnologia podemos enxerga com tranquilidade, usando um belo e estiloso de um par óculos.

Hoje óculos é item de moda, tem muitas pessoas que usam a armação apenas como adereço... Isso mesmo! Usam o óculos sem grau! Só pra f…

MATANDO UM LEÃO POR DIA...

Eu gosto de escrever meu próprios artigos, mas algumas vezes recebemos alguns emails que trazem consigo uma lição de vida tão interessante, que alguns que recebo, passei a colocá-los no Blog. 
Eu estava na casa da Minha Elaine, quando ela começou a ler o texto em voz alta, estando ela sentada no chão na sala. Não posso negar que ela me conhece bem, tenho certeza que ela o fez sabendo que isso iria me chamar a atenção. Pensei... Por traz deste texto tem algo interessante. Assim que ela terminou o texto, falei: Manda pra mim por favor?
Bom... Veja o texto na integra...

MATANDO UM LEÃO POR DIA ... Em vez de matar um leão por dia, aprenda a amar o seu. Por Pierre Schurmann
Outro dia, tive o privilégio de fazer algo que adoro: fui almoçar com um amigo, hoje chegando perto de seus 70 anos. Gosto disso. São raras as chances que temos de escutar suas histórias e absorver um pouco de sabedoria das pessoas que já passaram por grandes experiências nesta vida.
Depois de um almoço longo, no qual falamos…