Pular para o conteúdo principal

A história de Bill e Ball

Estava passando pela Praça dos Expedicionários próxima a Avenida Brás Leme em Santana em São Paulo.  Vi dois cães brincando de morder um ao outro. Percebi que os cães estavam felizes. Cães que não pareciam de raças conhecidas, mais pra vira-latas que parecidos com alguma raça. Não sou especialista em saber de qual raça um cão pertence. Aqui me lembrou a historia de Bill e Ball. Essa história é tão antiga que não me lembro com perfeição os detalhes dela. Mas me lembro do veio e final dela.
Ao lado da casa de Sr.Norival, avô de meus filhos, na Rua Biri em Itaquera, havia um vizinha que a chamavam de “Linda”. Ela tinha dois cães, um vira-lata chamado Bill e um pequenino que não me lembro do nome que deram a ele. Lembro-me mesmo é dos maus tratos que o Bill impunha ao pequeno cachorrinho.
Sempre se ouvia os gritos da vizinha com o Bill para soltar o pequeno. E assim era. Quando colocavam comida para o Bill e o cãozinho vinha para comer junto; Bill rosnava e o pequenino se encolhia e fica aguardando a vez dele comer.
Quando o pequenino insistia em investir na vasilha, Bill partia pra cima dele e começa a gritaria da vizinha. Sempre que saiam e deixavam os cães em casa, os vizinhos tinham que ficar vigiando os maus tratos. E assim foi por um longo tempo...
Até que um dia a vizinha ganhou um cãozinho gordinho, uma fofura de cãozinho. E os filhos dela ficaram tão empolgados com o bichinho que colocaram o nome dele de pronto: “Ball”. Lembro-me que todos gostaram da combinação: Bill, Ball e o... Não me lembro do nome.
Enquanto o cãozinho era pequenino todos cuidavam dele.
Quando ganhou um tamanho razoável, e não demorou muito pra isso acontecer, o colocaram junto com os outros. E para variar o mesmo tratamento que Bill dava ao outro passou a dar ao Ball. Rosnar a cada vez que comiam juntos. E dar mordidas profundas que machucavam o cãozinho.
Não eram poucas as vezes que o Ball tinha que passar por alguns curativos e tratamentos, por conta das brigas, ou melhor, dos maus tratos sofridos pelo Bill que inclusive ganhava algumas vezes o apoio do pequenino (o outro).
Só que não demorou muito, Ball, começou a crescer e percebi que se trava de um cachorro incomum, não era um vira-lata. Começou a crescer e logo já estava quase do tamanho do Bill. Mas mesmo assim, Bill não se reduziu ao fato do Ball estar no mesmo tamanho dele. E o outro passou a ficar mais próximo e a brincar com o Ball, afinal o Ball não maltratava ele.
As brigas começaram a ficar feias.  A vizinha começou a ter trabalho para separar o Bill e o Ball.
Certa vez o Bill rosnou para o Ball. Não deu outra, o Ball partiu pra cima do Bill e foi um quiproquó para separá-los. E desta vez quem ficou mancando foi o Bill.
Aquela situação ficou insustentável para os cães e como em casa de vizinho não se mete o bedelho, todos os vizinhos já haviam percebido que a solução seria dar um dos cães. Mas a vizinha gostava muito os cães e... Ninguém falava nada.
Fiquei curioso para saber a raça a qual o Ball pertencia. E perguntei a uma vizinha que me disse ser um pastor alemão capa preta. Ficou claro pra mim, porque ele era tão grande e tão bonito.
O tempo passou e o Ball ficou muito maior e mais forte que o Bill.
Uma noite ao colocar a comida para os cães, o Bill achou que poderia rosnar para o Ball. Desta vez, Ball, muito maior e mais forte... Tragédia anunciada.
Escuro, nem deu tempo da vizinha pegar qualquer coisa para evitar a tragédia. Ball deu uma única e forte mordida no pescoço de Bill e o arremessou contra a parede, mais ou menos uns dois metros de onde eles estavam...
Bill caiu e não levantou mais!
No dia seguinte, como se estivéssemos lendo o Jornal Sangrento chamado “Notícias Populares”, a vizinhança anunciava: “O Ball matou o Bill”.
A tragédia poderia ser evitada, mas foi se levando acreditando que nada aconteceria... E aconteceu.
Vou ficar por aqui...
Fique à vontade para deixar seus comentários...
Muito Obrigado por ler Meu Blog e até me próximo texto!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você não gosta de ser fotografado.

Não poderia deixar de escrever esse texto... É mais um registro para pequenas coisas que acontecem em nossas vidas que merecem um registro para posteridade, ainda mais que temos tantas e tantas formas de manter nossas vidas registradas e compartilhadas. Oscar Niemeyer viveu 104 anos e faltando 10 dias para completar seus 105o. Aniversário, veio a falecer e deixou a seguinte mensagem: “... Porque eu acho que a vida é assim. A gente tem que separar as coisas. A vida é chorar e rir a vida inteira. Aproveitar os momentos de tranqüilidade e brincar um pouco. Depois, os outros é aguentar. A vida é um sopro né?”. Antigamente tirar uma fotografia era coisa tão cara que as fotografias eram póstumas. Essas fotos se chamavam Post Mortem. A foto era tirada da pessoa morta como se estive viva. Eles vestiam o morto e colocava em uma posição, como se estive vivo e fotografavam. Com o passar dos anos e a evolução tecnológica qualquer celular básico tem uma câmera. E os smartphones tem capacidade de tira…

As tartarugas

Estava conversando com os colaboradores da empresa e explicando da necessidade que existe na empresa de sermos “multi-tarefas”. Embora esse conceito seja discutível, a ideia foi falar a respeito da necessidade de dar continuidade a uma outra tarefa quando por algum motivo a tarefa em execução é interrompida por n motivos (dependência de atuação de outra área, compra ou entrega de um novo componente entre outros). Trabalhamos em duas frentes: On-going (atendimento de tickets) e Delivery (atendimento a atividades de projetos).
Em meio a explicação, um dos colaboradores experiente em Delivery, fez uma metáfora referente as atividades de um modo geral que achei fantástica. Achei interessante e achei por bem escrever.
Nas palavras dele foi assim descrito: A situação é a seguinte: Você tem que tomar conta de cinco tartarugas. Uma tartaruga sai andando. Você pega a tartaruga e coloca de volta no lugar. E fica de olho nas outras. Assim vai...
A tartaruga dois sai. A três sai. A quatro e a cinco sa…

Ficha de consumação psicografada

Não tenha dúvida que algumas coisas só acontecerão na sua vida por que você tem amigos. Ainda mais amigos que cresceram juntos a você e não perderam a “criança interior” e sabem brincar como se o tempo não tivesse passado. Conheço pessoas que são assim. Tem amigos antigos, amigos que permitem memoráveis “sacanagens”, sem duplo sentido. Contou um deles assim... Tenho um amigo que é muito sacana. Todas as vezes que saímos pra balada, ele fica pedindo que você compre as coisas pra ele. Sempre foi assim. Somos uma turma de amigos que cresceu juntos e não tem jeito. Sempre... Sempre... Sempre... O cara vem com algo do tipo: Esqueci meu cartão, meu cartão foi bloqueado, paga ai que depois eu faço a sua. Não faz muito tempo, todo mundo foi na balada e dele deixou a comanda saindo da calça. Um dos meus amigos foi lá e pegou a comanda sem ele ver. Sentamos todos na mesa e mal deu tempo de esquentar a cadeira, já saiu pedindo: - Paga uma bebida ai pra mim?! O camarada que estava com a comando, falou: - …

DesCorretor Ortográfico

Essa coisa de usar corretor ortográfico no celular ainda vai causar confusões e confusões das graves. Se é que já não andou causando por ai. É muito útil, mas uma pequena falta de atenção ou pressa... E tudo pode sai errado. Lembro-me que fui comprar uma capinha de celular com minha filha e como ela gostou muito do que comprou, acho que deveria enviar uma mensagem para a amiga. Antes de enviar a foto da capinha mandou a mensagem: “Menina! Comprei uma calcinha que você precisa ver que linda!” A amiga respondeu na hora “Nossa me conta?! Tenho muitas ousadas.” Quando ela leu a resposta percebeu que havia algo errado com a mensagem que havia passado. Voltou na mensagem e percebeu que o Corretor Ortográfico havia “caído na água”... Tipo um Gremlins... Virou do mal! Escreveu tudo errado. Trocou a palavra “capinha” por “calcinha”. E não foram um, nem duas, mas diversas vezes que tive que voltar no meu twitter e apagar o que twittei por conta de erros grosseiros provocados pelo “Descorretor” Ortográf…

Aprendendo pela simplicidade

Me peguei pensando em uma das muitas conversas que tenho com as pessoas com quem trabalho. Percebi que em um dado momento da conversa a pessoa com quem falava ficou muito triste. E aquilo me incomodou, pois achei que deveria fazer algo para reverter aquele sentimento, visto que no ar vinha um sopro de inconformidade do qual acreditei que seria duro reverter, mas que não poderia desistir. Afinal é meu papel motivar as pessoas. Sempre acreditei nisso. Independente da minha função, do meu trabalho. Como um ser humano que se incomoda com o próximo, é função, é papel dele fazer algo. Entre outras conversas falei: “Você precisa entender que não são os tombos que você tomou que irão determinar sua vitória ou derrota. Mas sim, sua capacidade de se manter em pé, de se levantar a cada tombo”. É mais uma daquelas frases motivacionais do personagem Rocky Balboa em seus “Rocky Balboa inspirational speech”. Ao ouvir essa frase a pessoa parou, me olhou fixo e disse: Esta não é a primeira vez que caio,…