Pular para o conteúdo principal

Coisas que não entendo

Há coisas que não entendo e sinceramente por mais esforço que faça não vou conseguir entender.  Ou é maldade demais ou é falta de percepção do sentimento alheio.  O fato é que a convivência trás bem pra perto os verdadeiros sentimentos, mas quando não se sabe o que levou a tal comportamento é melhor contar e você decide o que de fato é.
Viajar e contar histórias são coisas que gosto de fazer. E por vezes viajando ao longo também ouvimos histórias. Logo se ouve um historia e se achar interessante se escreve a historia. É o caso dessa história que vou contar. Peguei em uma viagem que fiz e no caminho foram me contando. A pessoa quem me contou mostrou um sentimento tão doido de coisa que se perdeu e sabe que não se pode voltar, mesmo que existam recompensas, aquele tempo não mais será recuperado.
Engraçado como a vida nos força a olhar pra trás e infelizmente com algum pesar.
Olhando para trás, medindo o tempo que passou se viu olhando para uma menina que agora próximo dos seus 10 anos, se acordou para uma realidade doída. Em um comentário simples: “Não vi nenhuma festa dela quando bebê...”.
Depois do comentário o rosto mudou a forma, deixam a marca da dor na alma. A lágrima não caiu porque como navalha cortou a alma por dentro.
Contou que um de seus irmãos depois de casado passou a morar distante. Casou-se com uma mulher que não é muito chegada a família dele.  Sendo assim, as festas de natal, ano novo eram passadas no isolamento do casal, como se a famílias não existissem para eles. Como eles por si se bastassem.
Passaram se anos, quando o casal resolveu ter um bebê. Todos ficaram felizes e acreditaram que seria diferente dessa vez, que se aproximariam. A matriarca com experiência de vida foi categórica em afirmar que não mudariam não. Conhecia a esposa que o filho havia arrumado e que se fosse pra ele ser feliz que ficasse assim mesmo. Não deu outro: Sua previsão se confirmou.
E assim se foi por anos... Ano novo uma passada para cumprimentar. Natal no dia seguinte e quando não dois dias depois do natal e do ano novo. E tudo se segue como previsto pela matriarca.
Quando a criança entrou na escola e começou a fazer suas apresentações anuais, pensaram que mudaria que seriam chamados para ver o bebê participando das cerimônias, mas a matriarca não havia errado nem nisso. Assim seguindo a rotina da felicidade, na linha de não incomodar ninguém, a vida seguiu em frente.
Nas reuniões familiares sempre que o assunto se declinava para o assunto, a própria matriarca para proteger seu filho do desagravo mudava o assunto. Como se acreditando que poderá fazê-lo para sempre... Ou até quando puder.
Sendo a família composta por mais irmãos, um deles convidou a todos para participar de uma apresentação de uma das filhas. Compraram os convites e foram todos a festa.
Por uma coincidência do destino, que tem essa mania de usar essa palavra, no dia da festa, na mesma hora, estava lá a filha do outro irmão. Ficou surpreso ao ver todos ali, pois não sabia que todos iriam. Ficou um sentimento gostoso, como se tudo fora programado com antecedência, como se todos houvessem comprado os ingressos com a plena certeza que todos confraternizariam aquele momento. E assim o foi.
Não houve um único comentário a respeito do que acontecera. Todos se cumprimentaram como se não de estranho estivera acontecendo e assim curtiram a festa.
Por um momento, a janela do passado foi aberta para aquele momento presente e se sentiram felizes. Se esqueceram de tudo o que havia acontecido até aquele momento. Ficaram felizes como tivera participado de todas as festas ao longo de todos aqueles 10 anos.
Passado o momento da festa e todos voltando pra casa, se pegou a pensar. E fez a si o comentário que deu origem ao texto e ao meu silêncio diante da pessoa.
Em um comentário simples: “Não vi nenhuma festa dela quando bebê...”.
Não sabia o que falar...
Muito Obrigado por ler Meu Blog e até me próximo texto!

Comentários

  1. Nossa! Que história linda e triste ao mesmo tempo.

    Vejo pela familia dos meus pais. Poucos irmãos e ainda brigaram. Hoje se conversam, mas somente o necessário. Festas nem pensar! Acho que esse irmão que não quis criar confusão para a esposa, teve a melhor decisão, principalmente a matriarca! Se ele não quer se juntar, deixa ele feliz no canto dele. Melhor para todos! Meu avô materno sempre tentou juntar os filhos, mas as concunhadas com ciumes uma da outra só criaram mais confusão, resultado: os dois filhos homens não se conversam, minha tia já falecida e sobrou minha mãe que ficou só na família! Sei lá, é triste não ver irmãos tão juntos, mas se for para o bem de todos, que seja melhor assim! Meu avô morreu triste por não ter feito os irmãos serem amigos. Acho que cada família tem seu jeito de ser feliz, e não adianta forçar a ser igual a outra por que dai dá confusão!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há como consertar tudo. Do meu ponto de vista,as decisões mais sábias sempre caminham na direção de evitar conflitos. E com o tempo se tiver que se resolver, se revolveram. É complicado, mas deixa claro que no final o amor, sempre é a porta para solucionar os problemas. Eu penso dessa maneira.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você não gosta de ser fotografado.

Não poderia deixar de escrever esse texto... É mais um registro para pequenas coisas que acontecem em nossas vidas que merecem um registro para posteridade, ainda mais que temos tantas e tantas formas de manter nossas vidas registradas e compartilhadas. Oscar Niemeyer viveu 104 anos e faltando 10 dias para completar seus 105o. Aniversário, veio a falecer e deixou a seguinte mensagem: “... Porque eu acho que a vida é assim. A gente tem que separar as coisas. A vida é chorar e rir a vida inteira. Aproveitar os momentos de tranqüilidade e brincar um pouco. Depois, os outros é aguentar. A vida é um sopro né?”. Antigamente tirar uma fotografia era coisa tão cara que as fotografias eram póstumas. Essas fotos se chamavam Post Mortem. A foto era tirada da pessoa morta como se estive viva. Eles vestiam o morto e colocava em uma posição, como se estive vivo e fotografavam. Com o passar dos anos e a evolução tecnológica qualquer celular básico tem uma câmera. E os smartphones tem capacidade de tira…

As tartarugas

Estava conversando com os colaboradores da empresa e explicando da necessidade que existe na empresa de sermos “multi-tarefas”. Embora esse conceito seja discutível, a ideia foi falar a respeito da necessidade de dar continuidade a uma outra tarefa quando por algum motivo a tarefa em execução é interrompida por n motivos (dependência de atuação de outra área, compra ou entrega de um novo componente entre outros). Trabalhamos em duas frentes: On-going (atendimento de tickets) e Delivery (atendimento a atividades de projetos).
Em meio a explicação, um dos colaboradores experiente em Delivery, fez uma metáfora referente as atividades de um modo geral que achei fantástica. Achei interessante e achei por bem escrever.
Nas palavras dele foi assim descrito: A situação é a seguinte: Você tem que tomar conta de cinco tartarugas. Uma tartaruga sai andando. Você pega a tartaruga e coloca de volta no lugar. E fica de olho nas outras. Assim vai...
A tartaruga dois sai. A três sai. A quatro e a cinco sa…

Ficha de consumação psicografada

Não tenha dúvida que algumas coisas só acontecerão na sua vida por que você tem amigos. Ainda mais amigos que cresceram juntos a você e não perderam a “criança interior” e sabem brincar como se o tempo não tivesse passado. Conheço pessoas que são assim. Tem amigos antigos, amigos que permitem memoráveis “sacanagens”, sem duplo sentido. Contou um deles assim... Tenho um amigo que é muito sacana. Todas as vezes que saímos pra balada, ele fica pedindo que você compre as coisas pra ele. Sempre foi assim. Somos uma turma de amigos que cresceu juntos e não tem jeito. Sempre... Sempre... Sempre... O cara vem com algo do tipo: Esqueci meu cartão, meu cartão foi bloqueado, paga ai que depois eu faço a sua. Não faz muito tempo, todo mundo foi na balada e dele deixou a comanda saindo da calça. Um dos meus amigos foi lá e pegou a comanda sem ele ver. Sentamos todos na mesa e mal deu tempo de esquentar a cadeira, já saiu pedindo: - Paga uma bebida ai pra mim?! O camarada que estava com a comando, falou: - …

DesCorretor Ortográfico

Essa coisa de usar corretor ortográfico no celular ainda vai causar confusões e confusões das graves. Se é que já não andou causando por ai. É muito útil, mas uma pequena falta de atenção ou pressa... E tudo pode sai errado. Lembro-me que fui comprar uma capinha de celular com minha filha e como ela gostou muito do que comprou, acho que deveria enviar uma mensagem para a amiga. Antes de enviar a foto da capinha mandou a mensagem: “Menina! Comprei uma calcinha que você precisa ver que linda!” A amiga respondeu na hora “Nossa me conta?! Tenho muitas ousadas.” Quando ela leu a resposta percebeu que havia algo errado com a mensagem que havia passado. Voltou na mensagem e percebeu que o Corretor Ortográfico havia “caído na água”... Tipo um Gremlins... Virou do mal! Escreveu tudo errado. Trocou a palavra “capinha” por “calcinha”. E não foram um, nem duas, mas diversas vezes que tive que voltar no meu twitter e apagar o que twittei por conta de erros grosseiros provocados pelo “Descorretor” Ortográf…

Aprendendo pela simplicidade

Me peguei pensando em uma das muitas conversas que tenho com as pessoas com quem trabalho. Percebi que em um dado momento da conversa a pessoa com quem falava ficou muito triste. E aquilo me incomodou, pois achei que deveria fazer algo para reverter aquele sentimento, visto que no ar vinha um sopro de inconformidade do qual acreditei que seria duro reverter, mas que não poderia desistir. Afinal é meu papel motivar as pessoas. Sempre acreditei nisso. Independente da minha função, do meu trabalho. Como um ser humano que se incomoda com o próximo, é função, é papel dele fazer algo. Entre outras conversas falei: “Você precisa entender que não são os tombos que você tomou que irão determinar sua vitória ou derrota. Mas sim, sua capacidade de se manter em pé, de se levantar a cada tombo”. É mais uma daquelas frases motivacionais do personagem Rocky Balboa em seus “Rocky Balboa inspirational speech”. Ao ouvir essa frase a pessoa parou, me olhou fixo e disse: Esta não é a primeira vez que caio,…