Pular para o conteúdo principal

Meu Avô Materno Manoel Messias de Araújo

Manoel Messias de Araújo nasceu em 28 de junho de 1.899 e faleceu com 84 anos de idade em 04 de junho de 1.984 às 5h30min na Santa Casa de Misericórdia de São Simão. Vitimado por um “A.V.C – Tromboembolismo”.
Interessante perceber que por ideologias as pessoas acreditam que a história da família pode ser enterrada por esse tipo de comportamento.
Os restos mortais de uma ser humano não é ele. É parte da história dele.
O túmulo do meu avô Manoel Messias de Araújo nunca foi visitado pela filha, minha mãe Dona Rafaela. Perguntei a minha mãe qual o motivo e a resposta foi: Não tínhamos costume de visitar ou de ver o enterro nem de pai e mãe naquela época.
Devido a esse tipo de pensamento, minha mãe ficou 29 anos sem nunca ter pisado se quer no cemitério onde seu pai foi enterrado.
Minha esposa Elaine, fez a pesquisa na prefeitura de São Simão e encontrou as informações sobre o número do jazigo onde os restos mortais de meu avô se encontram depositados. E na documentação apontou como jazigo perpétuo.
Perguntado a minha mãe, ele me contou que a última esposa do meu avô, que foi casado por três vezes, comprou com ele o jazigo, porque dizia ela querer ser enterrada ao lado dele. E no jazigo está lá os restos mortais dela também.
No atestado de óbito do velho Manoel Messias está escrito: “O falecido foi casado com Maria Antônia da Conceição, em Cajuru-SP, aos 28/07/1928 - em 1ªs núpcias, existindo os filhos: Luzia, Manoel, Gabriel, João, Rafaela, Antônia, Orlando, Guilhermina, Amélia, Adolfo, José e Jeremias; e netos. Casado em 2ªs núpcias nesse cartório com Aparecida Divina de Araújo em 31/12/1971, não existindo filhos. Casado em 3ªs núpcias neste cartório com Benedicta Luiz de Araujo em 31/06/1982”. Pelo visto Sr. Manoel só não enterrou a última.
Minha esposa me contou que Mamãe se emocionou ao sair do cemitério e saber que os restos mortais do pai dela se encontravam ali. Ela falou: “Você sabe que eu me emocione! Por saber que os ossinhos do meu pai estavam ali”.
Do meu ponto de vista, não se trata de religião, mas sim de preservar a história da família. Mas acredito que isso seja um pensamento meu, coisa que não encontro entre a maioria dos meus amigos e principalmente na minha família. Esse é um tipo de comportamento que precisa ser ensinado para as gerações seguintes.
Vou continuar pesquisando. E o que posso dizer é que a minha bisavó se chamava Guilhermina Maria Pinto, natural de Cajuru-SP.

Vou ficando por aqui.


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você não gosta de ser fotografado.

Não poderia deixar de escrever esse texto... É mais um registro para pequenas coisas que acontecem em nossas vidas que merecem um registro para posteridade, ainda mais que temos tantas e tantas formas de manter nossas vidas registradas e compartilhadas. Oscar Niemeyer viveu 104 anos e faltando 10 dias para completar seus 105o. Aniversário, veio a falecer e deixou a seguinte mensagem: “... Porque eu acho que a vida é assim. A gente tem que separar as coisas. A vida é chorar e rir a vida inteira. Aproveitar os momentos de tranqüilidade e brincar um pouco. Depois, os outros é aguentar. A vida é um sopro né?”. Antigamente tirar uma fotografia era coisa tão cara que as fotografias eram póstumas. Essas fotos se chamavam Post Mortem. A foto era tirada da pessoa morta como se estive viva. Eles vestiam o morto e colocava em uma posição, como se estive vivo e fotografavam. Com o passar dos anos e a evolução tecnológica qualquer celular básico tem uma câmera. E os smartphones tem capacidade de tira…

Você sabe o que é miopia de alto grau? Fale como o Ramiro Diz.

Tenho um amigo que trabalha comigo que usa óculos desde de os sete anos de idade. Como ele morou  em Portugal... Seus parentes são portugueses.. Oras pois!

Ramiro Diz pá! é o nome do gagio!


Hoje, ele usa 22,0 graus de miopia. Me contou que usa óculos desde os 7 anos de idade. Seu grau de miopia nesta idade já chegava aos 12 graus.

Quando foi ao oftamologista pela primeira vez, este receitou inicialmente um grau abaixo do que ele usava para que se acostumasse com o óculos. Um pouco de psicologia infantil para ajudar o menino a enxergar e brincar.

Eu também sou miope, uso 4 graus de miope em ambos os olhos, comecei a usar óculos aos 18 anos  de idade, mas nestes números o Ramiro saiu na frente disparado logo ao 7 anos de idade... 12 graus! é muita coisa!

Mas graças a tecnologia podemos enxerga com tranquilidade, usando um belo e estiloso de um par óculos.

Hoje óculos é item de moda, tem muitas pessoas que usam a armação apenas como adereço... Isso mesmo! Usam o óculos sem grau! Só pra f…

MATANDO UM LEÃO POR DIA...

Eu gosto de escrever meu próprios artigos, mas algumas vezes recebemos alguns emails que trazem consigo uma lição de vida tão interessante, que alguns que recebo, passei a colocá-los no Blog. 
Eu estava na casa da Minha Elaine, quando ela começou a ler o texto em voz alta, estando ela sentada no chão na sala. Não posso negar que ela me conhece bem, tenho certeza que ela o fez sabendo que isso iria me chamar a atenção. Pensei... Por traz deste texto tem algo interessante. Assim que ela terminou o texto, falei: Manda pra mim por favor?
Bom... Veja o texto na integra...

MATANDO UM LEÃO POR DIA ... Em vez de matar um leão por dia, aprenda a amar o seu. Por Pierre Schurmann
Outro dia, tive o privilégio de fazer algo que adoro: fui almoçar com um amigo, hoje chegando perto de seus 70 anos. Gosto disso. São raras as chances que temos de escutar suas histórias e absorver um pouco de sabedoria das pessoas que já passaram por grandes experiências nesta vida.
Depois de um almoço longo, no qual falamos…