Pular para o conteúdo principal

Convicto

Convicto é um adjetivo que significa: Que tem convicção de alguma coisa; convencido; certo.
Uma pessoa convicta é uma pessoa que está certa e convencida de que seu ponto de vista a respeito de suas posições estão corretos. Uma pessoa com esta característica pode ser definida com uma pessoa que fez uma escolha é se convenceu dela, sente em si que suas posições a respeito de si mesma estão corretas.
Fazer escolhas com convicção ou se sentir convicto de suas escolhas faz de você uma pessoa melhor, ao menos é isso que penso.
Há pessoas que creem em Deus de maneira convicta, de maneira que não se desconstrói a crença dela com qualquer fato ou com qualquer nova descoberta ou seja lá o que for.
Conta que dois amigos interioranos começaram a discutir sobre acreditar ou não em Deus e a forma do agir de Deus, milagres e tudo o que envolve milagres.
O homem temente a Deus era mais agredido que tentava agredir, pois o homem que não cria em Deus contava várias histórias e falava de ciência e tecnologia e tudo mais com um único intuito: desconstruir a crença do homem temente a Deus.
Num rompante de ignorância e desafio, o homem que não cria em Deus estava com uma viola na mão e lançou um desafio.
- Você acredita mesmo que seu Deus pode arrumar tudo?!! Então tá!
Quebrou as cordas das viola, colocou ao lado do banco onde eles conversavam. Banco este que ficava no pequeno jardim em frente à casa que dava vista para rua. Não tinha muros, nem portões. Um cantinho gostoso para conversar. Mas que o homem agora já irritado que disse num tom de gozação:
- Você acredita mesmo que Deus pode consertar tudo... Vou deixar essa viola aqui quero ver se ele vai arrumar mesmo. E para te dar uma chance... Não quero que arrume da maneira que acredito deveria arrumar. Algo como restaurar as cordas de maneira que eu possa ver como num cinema, as cordas sendo refeitas aos meus olhos... Algo como você vive falando “sobrenatural”!
O homem temente a Deus não falou nada ante tanta ignorância, pois classificou assim a atitude do amigo, que sempre o embatia com esse assunto, por que sabia ser uma assunto muito polêmico para ambos.
No dia seguinte, no horário em que eles se encontravam para prosear a tarde, lá estava a viola. Começavam a conversar e a viola se transformavam em objeto de provocação.
- Veja a viola. Está ficando pior, tomou sereno na madrugada, sol durante o dia...
Passados alguns dias e a viola piorando a conversa ficando sem graça. O homem temente a Deus disse:
- Bom... Você quer mesmo que Deus restaure esse caco de viola?! Então vamos fazer o seguinte: Me dê a viola.
Você não crê em Deus e Eu creio. Se você me der autoridade sobre o sua viola, tenho fé que Deus irá restituí-la no tempo dele.
- Então tá!
E num tom de zombaria gritou:
- Mundo!!! Deus!!! A viola é dele! Ok!!! Pronto a viola é sua.
- Muito Obrigado.
Pegou a viola e falou:
- Vou colocá-la no mesmo lugar e quando Deus restituir a viola te dou de presente novamente. Agora vem aqui mais perto. Vou te contar o segredo dos milagres e como você faz para recebê-los de presente de Deus. Fique aqui e ouça e só concorde de maneira consciente, como se você realmente desejasse que acontecesse. Ok? Ouça... Isso que nós chamamos de... Oração.
E o homem temente a Deus com a caco de viola na mão e o amigo ao lado começou a orar:
Senhor Deus e Meu Deus!
Deus de Abraão!
Deus de Moisés!
Deus de Isaque e Jacó!
Senhor, não preciso que apareças a minha frente.
Não é necessário a mim, Senhor, que se materialize na minha frente para que eu possa tocá-lo, nem mesmo que faças os milagres e as maravilhas que estão em suas palavras como os fizestes naquele tempo.
Não preciso que abras o mar, nem que pares o Jordão, nem que faça-me andar sobre às águas.
Eu creio em Ti, na sua onipresença, sua onisciência.
Creio em Ti, Meu Senhor e Meu Deus, como creio na vida e nos milagres que tens feito todos os dias na vida de várias pessoas que assim como eu creem em Ti.
A mim, Pai Amado! Me basta sentir a sua presença. Simples assim.
Neste momento em que sinto sua presente peço...
Atenda meu pedido, não a mim, mas para que esse meu irmão que está ao meu lado possa entender como são suas formas de agir: Nos devolva, nos restitua a viola.
Num pausa, o homem temente a Deus, disse ao amigo... Agora vem o segredo...
Senhor, peço no nome do Seu Filho Amado, Nosso Único e Suficiente Salvador, no cumprimento do que está em suas palavras: Jesus Cristo. Amém, amém e amém.
Só concorde comigo. Amém?!
Então o homem já num tom de zombaria disse:
- Amém.
E riu.
- Você acredita mesmo que isso é o suficiente para restaurar a viola? E agora o que você vai fazer? Erguer ela ao céu e ver as cordas serem restauradas?! E agora vai ter que restaurar a madeira também, né?! Está toda escangalhada. Já fazem duas semanas que está aguardando o seu “milagre” (fazendo os gestos para aspas com os dedos das mãos...).
- Bom... Vamos aguardar? Vou colocar a viola no mesmo lugar.
Terminaram a conversa e se foram. E lá ficou a viola. Passaram os dias e a viola foi se degradando.
As conversas a tarde continuaram e a viola ficou lá ao lado. Sempre ao final da prosa o homem que não temia a Deus apontava para o resto da viola. E o homem temente a Deus sorria e dizia: Calma... É no tempo Dele!
Vindo um homem passando em frente ao jardim, vi a viola no canto, uma viola que aos olhos dele era rara. E pensou: Quem deixaria uma viola dessas aqui?! Tomando sol e sereno! Pegou, empunhou... Se agradou do caco de viola. Pensou: Vou deixar a minha viola de presente e levo esse caco pra eu restaurar pra mim. Acho que o dono vai ficar contente e é uma troca justa: Uma viola novinha no mesmo modelo e cor por esse caco! É justo. E assim fez. Trocou e foi embora. A casa fechada, não encontrou ninguém pra conversar. Foi embora.
Quando o homem que não temia a Deus chegou. Viu a viola e pensou: Aquele infeliz comprou uma nova e colocou no lugar. Aguardou o amigo chegar para a tradicional prosa.
Chegando o homem temente a Deus e vendo a viola disse:
- Pelo que vejo Deus restituiu minha viola! Que bom!
- Restituiu. Restitui. Você comprou outra e colocou no lugar. Foi isso que você fez! E agora vem com essa conversa besta de que Deus restituiu!
- Bom... Eu tenho convicção de minha fé e meu temor a Deus. Não poderia fazer isso. Se assim fosse eu estaria enganando você para que você acredite em Deus. Como se Deus precisasse do meu favor para ser Deus. Deus não precisa de mim, nem de você, nem de ninguém para ser o que Ele É. Vamos fazer assim: Não fiz o que você falou, ou o que você acredita que tenha feito. Não restaurei e nem comprei outra. Só gostaria que em nome de nossa tão antiga amizade aceite a viola de presente. Vou ficar feliz se você aceitar. Aceita?
E sorrindo o homem que não temia a Deus, em nome da amizade, sorrindo aceitou e comentou:
- Senão foi você... Foi alguém. Tenho certeza que não foi Deus!
O homem temente a Deus rindo disse:
- Para mim foi Deus. Para você foi alguém. Que tenha sido alguém... Porquê que esse alguém viria trocar exatamente essa viola!?! Não teria sido pela vontade de Deus?!
Deus age assim e da forma que Ele achar melhor, mas sempre vai atender ao pedido cuja fé agradar a ele. E nesse caso... Ele viu fé em você!

Vou ficar por aqui... Fique a vontade para deixar seus comentários...
Muito Obrigado por ler Meu Blog e até me próximo texto!



Comentários

  1. Te admiro cada dia mais meu amigo Adalberto. Um grande abraço !!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você não gosta de ser fotografado.

Não poderia deixar de escrever esse texto... É mais um registro para pequenas coisas que acontecem em nossas vidas que merecem um registro para posteridade, ainda mais que temos tantas e tantas formas de manter nossas vidas registradas e compartilhadas. Oscar Niemeyer viveu 104 anos e faltando 10 dias para completar seus 105o. Aniversário, veio a falecer e deixou a seguinte mensagem: “... Porque eu acho que a vida é assim. A gente tem que separar as coisas. A vida é chorar e rir a vida inteira. Aproveitar os momentos de tranqüilidade e brincar um pouco. Depois, os outros é aguentar. A vida é um sopro né?”. Antigamente tirar uma fotografia era coisa tão cara que as fotografias eram póstumas. Essas fotos se chamavam Post Mortem. A foto era tirada da pessoa morta como se estive viva. Eles vestiam o morto e colocava em uma posição, como se estive vivo e fotografavam. Com o passar dos anos e a evolução tecnológica qualquer celular básico tem uma câmera. E os smartphones tem capacidade de tira…

DesCorretor Ortográfico

Essa coisa de usar corretor ortográfico no celular ainda vai causar confusões e confusões das graves. Se é que já não andou causando por ai. É muito útil, mas uma pequena falta de atenção ou pressa... E tudo pode sai errado. Lembro-me que fui comprar uma capinha de celular com minha filha e como ela gostou muito do que comprou, acho que deveria enviar uma mensagem para a amiga. Antes de enviar a foto da capinha mandou a mensagem: “Menina! Comprei uma calcinha que você precisa ver que linda!” A amiga respondeu na hora “Nossa me conta?! Tenho muitas ousadas.” Quando ela leu a resposta percebeu que havia algo errado com a mensagem que havia passado. Voltou na mensagem e percebeu que o Corretor Ortográfico havia “caído na água”... Tipo um Gremlins... Virou do mal! Escreveu tudo errado. Trocou a palavra “capinha” por “calcinha”. E não foram um, nem duas, mas diversas vezes que tive que voltar no meu twitter e apagar o que twittei por conta de erros grosseiros provocados pelo “Descorretor” Ortográf…

Ficha de consumação psicografada

Não tenha dúvida que algumas coisas só acontecerão na sua vida por que você tem amigos. Ainda mais amigos que cresceram juntos a você e não perderam a “criança interior” e sabem brincar como se o tempo não tivesse passado. Conheço pessoas que são assim. Tem amigos antigos, amigos que permitem memoráveis “sacanagens”, sem duplo sentido. Contou um deles assim... Tenho um amigo que é muito sacana. Todas as vezes que saímos pra balada, ele fica pedindo que você compre as coisas pra ele. Sempre foi assim. Somos uma turma de amigos que cresceu juntos e não tem jeito. Sempre... Sempre... Sempre... O cara vem com algo do tipo: Esqueci meu cartão, meu cartão foi bloqueado, paga ai que depois eu faço a sua. Não faz muito tempo, todo mundo foi na balada e dele deixou a comanda saindo da calça. Um dos meus amigos foi lá e pegou a comanda sem ele ver. Sentamos todos na mesa e mal deu tempo de esquentar a cadeira, já saiu pedindo: - Paga uma bebida ai pra mim?! O camarada que estava com a comando, falou: - …

As tartarugas

Estava conversando com os colaboradores da empresa e explicando da necessidade que existe na empresa de sermos “multi-tarefas”. Embora esse conceito seja discutível, a ideia foi falar a respeito da necessidade de dar continuidade a uma outra tarefa quando por algum motivo a tarefa em execução é interrompida por n motivos (dependência de atuação de outra área, compra ou entrega de um novo componente entre outros). Trabalhamos em duas frentes: On-going (atendimento de tickets) e Delivery (atendimento a atividades de projetos).
Em meio a explicação, um dos colaboradores experiente em Delivery, fez uma metáfora referente as atividades de um modo geral que achei fantástica. Achei interessante e achei por bem escrever.
Nas palavras dele foi assim descrito: A situação é a seguinte: Você tem que tomar conta de cinco tartarugas. Uma tartaruga sai andando. Você pega a tartaruga e coloca de volta no lugar. E fica de olho nas outras. Assim vai...
A tartaruga dois sai. A três sai. A quatro e a cinco sa…

O difícil aprendizado do silêncio

Uma das lições de vida mais difíceis é o aprendizado do silêncio. Principalmente quando você tem uma natureza ativa que parece estar pronto para responder a qualquer pergunta.
Ficar em silêncio para muitas situações pode significar uma mudança completa de estratégia, uma arma perfeita contra a maledicência, um presente de grego com o mais belo embrulho. No entanto, existe um limite e uma linha muito tênue entre ficar em silêncio (O Silêncio que por si denuncia) e Calar-se (O Silêncio da culpa ou da inação).
Perceber esse time, saber se “segurar na cadeira”, segurar a mão para não ir a teclado e fazer de um e-mail ou mensagem uma cascata de palavras ofensivas e vazias, é esse o segredo do aprendizado do silencio.
Quantas vezes, você diz algo que não deveria e não tem mais como voltar atrás?!
Há um ditado que diz: “Há três coisas que não voltam atrás: A palavra lançada, A pedra atirada e o tempo perdido”.
E quando falo de palavra lançada, não estou me referendo apenas a ela falada, mas escr…