Pular para o conteúdo principal

Seu Noé Miranda


Quando sai de Guaianazes (Um bairro distante na Zona Leste de São Paulo-SP) e passei a morar com meu pai no centro da cidade, em um prédio que hoje não existe mais,  chamado São Vitor. Uma das primeiras pessoas que conheci foi Alexandre Miranda. Passamos a ser amigos inseparáveis. Tão que quando perguntavam para nós se eramos parente, logo respondia: Ele é meu primo.

Não sei precisar exatamente o ano, mais isso foi por volta de 1976. Na época eramos muito parecidos quanto a situação de nossos pais. Pais separados que tinham outras companheiras. No meu caso eu passei a morar com meu pai e ele com a mãe. Que com o tempo a mãe dele, do agora meu primo, veio a ser minha madrinha, minha conselheira, minha orientadora e até conciliadora em um momento complicado antes do meu primeiro casamento, mas isso é outra história. Eramos “unha e carne”. Nossas vidas veio a se separar depois que começamos como o ativismo (trabalho, faculdade, casamento e tudo mais).

Como eramos filhos de pais separados, ele tinha que ver o pai dele e eu por vezes tinha que ir até Guaianazes ver minha mãe. Eu quase sempre estava com ele e o pai dele. O Seu Noé Miranda.

Seu Noé, do meu ponto de vista infantil (tinha mais ou menos 14 anos) e até hoje não apareceu ninguém e nenhuma história que contrariasse tudo vi e ouvi a respeito dele, me parecia uma pessoa bem sucedida que ganhava muito bem, pois morava em Moema enquanto nós morávamos no Parque Dom Pedro II em um prédio... vamos assim dizer... Simples.

Quando saíamos eu,  meu primo Alexandre e ele para almoçar. Era sempre um banquete. E ele fala quase sempre assim: Quer comer, pede! Pega ai. Bebia o whisky dele a “under rock's” e sempre bem vestido e num carro que pra mim era bem bonito.

Ao final de nossos encontros, ele chamava o Alexandre e dizia: Toma sua mesada. E dava a ele por volta de  Cr$ 10,00 (Dez cruzeiros). E foi exatamente num dia desses que Seu Noé marcou minha memória... O que me levou a contar tudo isso...

Certa vez ele sacou da carteira Cr$10,00 e deu ao Alexandre. Olhou pra mim e pegou outra nota de Cr$ 5,00 e veio com ela em minha direção e falou:
- Toma é pra você também.
- Não Seu Noé, muito Obrigado. Respondi a ele.
- E por quê você não quer? É dinheiro!
- Não quero porque não fiz nada pro senhor pra  merecer seu dinheiro.
Ele colocou o dinheiro de volta na carteira  e falou:
- Bom não quer não quer.

E ai começou o sermão.
Vocês tem que estudar para ser alguém na vida e não ser um Fudido! (Me desculpe pelo palavreado, mas ele falava assim mesmo).  Tem que trabalhar e estudar conseguir alguma coisa na vida e não ficar dependendo dos outros... Ficar como um Fudido por ai pedindo as coisas pros outros.

Foram poucas as palavras dela, porque não aguentávamos de tanto dar risadas pelo jeitão dele falar.
Do ponto de vista dele um “Fudido” é uma cara sem futuro. Hoje me lembro daquelas histórias  e me lembrei dele. Resolvi escrever este texto como uma homenagem a ele, uma vez que eu não estava tão perto quando ele passou.

Hoje eu e meu primo Alexandre quase não nos falamos, mas por culpa mesmo da correria. Mas que Deus nos conserve em vida para que possamos desfrutar de nossas aposentadorias sentados contando histórias... E nossos papais hoje vive em nossos corações.

Bom essa história fica para “a posteridade” como li certo dia em um blog por ai...

Obrigado por ler meu blog! Obrigado mesmo.



Comentários

  1. Talvez o referido edifício fosse o prédio ao lado do antigo "Treme-Treme".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você não gosta de ser fotografado.

Não poderia deixar de escrever esse texto... É mais um registro para pequenas coisas que acontecem em nossas vidas que merecem um registro para posteridade, ainda mais que temos tantas e tantas formas de manter nossas vidas registradas e compartilhadas. Oscar Niemeyer viveu 104 anos e faltando 10 dias para completar seus 105o. Aniversário, veio a falecer e deixou a seguinte mensagem: “... Porque eu acho que a vida é assim. A gente tem que separar as coisas. A vida é chorar e rir a vida inteira. Aproveitar os momentos de tranqüilidade e brincar um pouco. Depois, os outros é aguentar. A vida é um sopro né?”. Antigamente tirar uma fotografia era coisa tão cara que as fotografias eram póstumas. Essas fotos se chamavam Post Mortem. A foto era tirada da pessoa morta como se estive viva. Eles vestiam o morto e colocava em uma posição, como se estive vivo e fotografavam. Com o passar dos anos e a evolução tecnológica qualquer celular básico tem uma câmera. E os smartphones tem capacidade de tira…

DesCorretor Ortográfico

Essa coisa de usar corretor ortográfico no celular ainda vai causar confusões e confusões das graves. Se é que já não andou causando por ai. É muito útil, mas uma pequena falta de atenção ou pressa... E tudo pode sai errado. Lembro-me que fui comprar uma capinha de celular com minha filha e como ela gostou muito do que comprou, acho que deveria enviar uma mensagem para a amiga. Antes de enviar a foto da capinha mandou a mensagem: “Menina! Comprei uma calcinha que você precisa ver que linda!” A amiga respondeu na hora “Nossa me conta?! Tenho muitas ousadas.” Quando ela leu a resposta percebeu que havia algo errado com a mensagem que havia passado. Voltou na mensagem e percebeu que o Corretor Ortográfico havia “caído na água”... Tipo um Gremlins... Virou do mal! Escreveu tudo errado. Trocou a palavra “capinha” por “calcinha”. E não foram um, nem duas, mas diversas vezes que tive que voltar no meu twitter e apagar o que twittei por conta de erros grosseiros provocados pelo “Descorretor” Ortográf…

As tartarugas

Estava conversando com os colaboradores da empresa e explicando da necessidade que existe na empresa de sermos “multi-tarefas”. Embora esse conceito seja discutível, a ideia foi falar a respeito da necessidade de dar continuidade a uma outra tarefa quando por algum motivo a tarefa em execução é interrompida por n motivos (dependência de atuação de outra área, compra ou entrega de um novo componente entre outros). Trabalhamos em duas frentes: On-going (atendimento de tickets) e Delivery (atendimento a atividades de projetos).
Em meio a explicação, um dos colaboradores experiente em Delivery, fez uma metáfora referente as atividades de um modo geral que achei fantástica. Achei interessante e achei por bem escrever.
Nas palavras dele foi assim descrito: A situação é a seguinte: Você tem que tomar conta de cinco tartarugas. Uma tartaruga sai andando. Você pega a tartaruga e coloca de volta no lugar. E fica de olho nas outras. Assim vai...
A tartaruga dois sai. A três sai. A quatro e a cinco sa…

Ficha de consumação psicografada

Não tenha dúvida que algumas coisas só acontecerão na sua vida por que você tem amigos. Ainda mais amigos que cresceram juntos a você e não perderam a “criança interior” e sabem brincar como se o tempo não tivesse passado. Conheço pessoas que são assim. Tem amigos antigos, amigos que permitem memoráveis “sacanagens”, sem duplo sentido. Contou um deles assim... Tenho um amigo que é muito sacana. Todas as vezes que saímos pra balada, ele fica pedindo que você compre as coisas pra ele. Sempre foi assim. Somos uma turma de amigos que cresceu juntos e não tem jeito. Sempre... Sempre... Sempre... O cara vem com algo do tipo: Esqueci meu cartão, meu cartão foi bloqueado, paga ai que depois eu faço a sua. Não faz muito tempo, todo mundo foi na balada e dele deixou a comanda saindo da calça. Um dos meus amigos foi lá e pegou a comanda sem ele ver. Sentamos todos na mesa e mal deu tempo de esquentar a cadeira, já saiu pedindo: - Paga uma bebida ai pra mim?! O camarada que estava com a comando, falou: - …

Aprendendo pela simplicidade

Me peguei pensando em uma das muitas conversas que tenho com as pessoas com quem trabalho. Percebi que em um dado momento da conversa a pessoa com quem falava ficou muito triste. E aquilo me incomodou, pois achei que deveria fazer algo para reverter aquele sentimento, visto que no ar vinha um sopro de inconformidade do qual acreditei que seria duro reverter, mas que não poderia desistir. Afinal é meu papel motivar as pessoas. Sempre acreditei nisso. Independente da minha função, do meu trabalho. Como um ser humano que se incomoda com o próximo, é função, é papel dele fazer algo. Entre outras conversas falei: “Você precisa entender que não são os tombos que você tomou que irão determinar sua vitória ou derrota. Mas sim, sua capacidade de se manter em pé, de se levantar a cada tombo”. É mais uma daquelas frases motivacionais do personagem Rocky Balboa em seus “Rocky Balboa inspirational speech”. Ao ouvir essa frase a pessoa parou, me olhou fixo e disse: Esta não é a primeira vez que caio,…