Pular para o conteúdo principal

A importância do "Não Sei"


Vasculhando em meus emails antigos entrei esta jóia rara que recebi de meu antigo colega de trabalho, Marcelo Nakamura. Veja o cabeçalho do e-mail (rsss):

-----Original Message-----
From: Nakamura, Marcelo
Sent: quinta-feira, 24 de fevereiro de 2005 13:55

É um texto de Max Gehringer, que é tão atual que irá certamente, ganhar vida próprio e perpetuar pela internet. O título do texto é A importância do "Não Sei".
Procurei na internet para confirmar o texto e o texto já esta esparramado pela internet. Vamos ao texto:
A importância do "Não Sei"
Se você ainda não sabe qual é a sua verdadeira vocação, imagine a seguinte cena:
Você está olhando pela janela, não há nada de especial no céu, somente algumas nuvens aqui e ali. Aí chega alguém, que também não tem nada para fazer, e pergunta:
- Será que vai chover hoje?
- Se você responder "com certeza" a sua área é Vendas:
- O pessoal de Vendas é o único que sempre tem certeza de tudo.
- Se a resposta for "sei lá, estou pensando em outra coisa", então a sua área é Marketing. O pessoal de Marketing está sempre pensando no que os outros não estão pensando.
- Se você responder "sim há uma boa probabilidade", você é da área de Engenharia. O pessoal da Engenharia está sempre disposto a transformar o universo em números.
- Se a resposta for "depende", você nasceu para Recursos Humanos. Uma área em que qualquer fato sempre estará na dependência de outros fatos.
- Se você responder "ah, a meteorologia diz que não", você é da área de Contabilidade. O pessoal da Contabilidade sempre confia mais nos dados no que nos próprios olhos.
- Se a resposta for "sei lá, mas por via das dúvidas eu trouxe um guarda-chuvas", então seu lugar é na área Financeira que deve estar sempre bem preparada para qualquer virada de tempo.
Agora, se você responder "não sei", há uma boa chance que você tenha uma carreira de sucesso e acabe chegando à diretoria da empresa. De cada 100 pessoas, só uma tem a coragem de responder "não sei" quando não sabe. Os outros 99 sempre acham que precisam ter uma resposta pronta, seja ela qual for, para qualquer situação. Não sei, é sempre uma resposta que economiza o tempo de todo mundo, e pré-dispõe os envolvidos a conseguir dados mais concretos antes de tomar uma decisão. Parece simples, mas responder "não sei" é uma das coisas mais difíceis de se aprender na vida corporativa.
Por quê? 
Eu sinceramente "não sei".


O texto tem uma sinceridade... nata e um fato... consolidado. Espero que tenha gostado.

Obrigado por ler meu Blog!

Até meu próximo texto.


Comentários

  1. Adalberto, adoro os textos do Max Gehringer, e esse eu ainda não tinha lido.

    Ainda não virei diretora, mas adoro um Não Sei! rs

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Adalba,

    Não sei, mas como o Roberto Justus reagiria a essa resposta? Será que ele diria "Você está demitido", bom, não sei, mas talvez isso explique o porque 99% das pessoas acabam respondendo alguma coisa quando na realidade gostariam de dizer simplesmente "não sei". Você saberia? Eu não sei!

    Adorei esse post, e sei como é difícil dizer simplesmente "não sei" dependendo da situação.

    Abraços

    Bruno José Patrussi

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você não gosta de ser fotografado.

Não poderia deixar de escrever esse texto... É mais um registro para pequenas coisas que acontecem em nossas vidas que merecem um registro para posteridade, ainda mais que temos tantas e tantas formas de manter nossas vidas registradas e compartilhadas. Oscar Niemeyer viveu 104 anos e faltando 10 dias para completar seus 105o. Aniversário, veio a falecer e deixou a seguinte mensagem: “... Porque eu acho que a vida é assim. A gente tem que separar as coisas. A vida é chorar e rir a vida inteira. Aproveitar os momentos de tranqüilidade e brincar um pouco. Depois, os outros é aguentar. A vida é um sopro né?”. Antigamente tirar uma fotografia era coisa tão cara que as fotografias eram póstumas. Essas fotos se chamavam Post Mortem. A foto era tirada da pessoa morta como se estive viva. Eles vestiam o morto e colocava em uma posição, como se estive vivo e fotografavam. Com o passar dos anos e a evolução tecnológica qualquer celular básico tem uma câmera. E os smartphones tem capacidade de tira…

Você sabe o que é miopia de alto grau? Fale como o Ramiro Diz.

Tenho um amigo que trabalha comigo que usa óculos desde de os sete anos de idade. Como ele morou  em Portugal... Seus parentes são portugueses.. Oras pois!

Ramiro Diz pá! é o nome do gagio!


Hoje, ele usa 22,0 graus de miopia. Me contou que usa óculos desde os 7 anos de idade. Seu grau de miopia nesta idade já chegava aos 12 graus.

Quando foi ao oftamologista pela primeira vez, este receitou inicialmente um grau abaixo do que ele usava para que se acostumasse com o óculos. Um pouco de psicologia infantil para ajudar o menino a enxergar e brincar.

Eu também sou miope, uso 4 graus de miope em ambos os olhos, comecei a usar óculos aos 18 anos  de idade, mas nestes números o Ramiro saiu na frente disparado logo ao 7 anos de idade... 12 graus! é muita coisa!

Mas graças a tecnologia podemos enxerga com tranquilidade, usando um belo e estiloso de um par óculos.

Hoje óculos é item de moda, tem muitas pessoas que usam a armação apenas como adereço... Isso mesmo! Usam o óculos sem grau! Só pra f…

MATANDO UM LEÃO POR DIA...

Eu gosto de escrever meu próprios artigos, mas algumas vezes recebemos alguns emails que trazem consigo uma lição de vida tão interessante, que alguns que recebo, passei a colocá-los no Blog. 
Eu estava na casa da Minha Elaine, quando ela começou a ler o texto em voz alta, estando ela sentada no chão na sala. Não posso negar que ela me conhece bem, tenho certeza que ela o fez sabendo que isso iria me chamar a atenção. Pensei... Por traz deste texto tem algo interessante. Assim que ela terminou o texto, falei: Manda pra mim por favor?
Bom... Veja o texto na integra...

MATANDO UM LEÃO POR DIA ... Em vez de matar um leão por dia, aprenda a amar o seu. Por Pierre Schurmann
Outro dia, tive o privilégio de fazer algo que adoro: fui almoçar com um amigo, hoje chegando perto de seus 70 anos. Gosto disso. São raras as chances que temos de escutar suas histórias e absorver um pouco de sabedoria das pessoas que já passaram por grandes experiências nesta vida.
Depois de um almoço longo, no qual falamos…