sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Nós Brasileiros


Quando você vai comprar um celular em São Paulo, na maioria dos shopping centers, você encontra o celular em uma bancada todo amarrado e preso em um tipo de equipamento de segurança. Você não consegue sequer ver como ele funciona.
Em alguns lugares quando o celular possui teclado e precisa ser deslocado para abrir... Isso se torna impossível. Você tem que se contentar em ver o celular fechado mesmo.
E assim, acontece para várias outras coisas. Se você vai em um joalheria comprar um presente para alguém, o vendedor lhe traz o mostruário, se você pedir para ver outro mostruário... O vendedor retira o que estava com você, leva e traz os dois. Não pode deixar com você enquanto vai pegar o outro. É uma norma comum com risco dele perder o emprego.
Quando você vai a um restaurante, não pode se descuidar de seus pertences. As mulheres não podem simplesmente colocar as bolsas sobre outra cadeira e ficar tranquilas... Vacilou a bolsa voou.
Na mais paulista da avenidas, a Avenida Paulista, onde tem o maior número de policiais por metro quadrado a ousadia dos bandidos é espantosa... Eu vi com estes meus olhos: O bandido vem em uma bicicleta... Caminha de vagar como se fosse um turista...  E quando a pessoa pega o celular pra atender... Eles vem em velocidade e toma o celular e sai com a bicicleta em disparada. Se foi o celular!
Os bandidos são excelente calculista, tem um lógica incrível... Devem calcular a distância do próximo grupo policial e o que passou... O semáfaro e... Sei lá!  São muito rápidos...
Aqui no Brasil tem um coisa incrível que só nós temos. Uma Lei tem que “pegar”. Isso mesmo! As leis só são obedecidas se “pegarem”... Não são feita para serem respeitadas. Se são respeitadas é porque a lei “pegou”... Tem algum exemplo ai pra citar? Temos tantos que é melhor nem escrever...
Todo esse medo de roubos e furtos, fora os outros crimes que é melhor nem comentar... afinal aqui não é nenhum NP...
Não tem jeito... Isso aqui no Brasil, falando daqui de São Paulo, parece uma coisa comum... Já estamos... Vamos assim dizer: “Acostumados”. Todo mundo anda segurando suas bolsas na frente do corpo. É muito loco!
Conversando sobre esse “pânico coletivo” com uma amiga, ela fez o seguinte comentário: É.. mas quando a gente viaja para fora do país, somos muito mais safos que os gringos.
Mas uma coisa é certa: Nós brasileiros somos muito desconfiados em sua grande maioria, de tudo e de todos. E a regra básica é: Confiar desconfiando. E se não conhece não confie mesmo!
Cada país, cada localidade tem seus problemas, suas dificuldades... Mas essa é uma das mais ruins... Essa sensação de falta de liberdade de poder andar sem se preocupar. Mas ainda assim amamos esse país com suas loucuras e adversidades. Falo por mim... Amo São Paulo e esse Meu Brasil!
Não é por acaso que 90% dos brasileiros acreditam em Deus. É confiar em DEUS e seguir em frente: “Entrega o teu caminho ao SENHOR; confia nele, e ele o fará.” Salmos 37:5
Obrigado por ler Meu Blog e até meu próximo texto.
;D


Um comentário:

  1. Adalba,

    Lendo seu post, lembrei da entrevista do Datena para a marilia Grabriela, onde ele diz:

    "O sujeito passa boa parte da sua vida para acumular alguma coisa, perde boa parte do seu tempo tendo medo de perder essa coisa, e perde essa coisa gastando com a saude que você perdeu ganhando isso ai".

    Na minha opinião e a do Datena também, o equilíbrio é o ideal, e se todos fossem equilibrados não teriamos tantas histórias como essa que você contou, que está mais relacionada a desigualdade social e a falta de educação básica no pais.

    De um ponto mais radical, considerando que boa parte da população é carente e desinformada em relação a métodos contraceptivos, acrescentando que deixam nas mãos de Deus, dizendo "Deus mandou é porque sabe o que faz", as crianças vão crescendo sem a estrutura adequada e infelizmente muitas delas seguem a lei de Gerson, ou seja a do menor esforço, e o crime ainda é a forma mais fácil de se conseguir realizar os sonhos de quem quer muito, mas não quer se esforçar na mesma altura. E nem precisamos entrar no mundo das drogas, que daria uma eternidade de palavras.

    Abraços

    Bruno José Patrussi


    Fonte: http://www.sbt.com.br/defrentecomgabi/videos/?id=2c9f94b532d601a70132d9334903036b

    ResponderExcluir