Pular para o conteúdo principal

Heróis Anônimos do nosso dia-a-dia

Tenho passado por um periodo de reflexões, de maneira que tenho buscado fazer leituras de livros que falam sobre comportamento humano, como lidar com pessoas.

Me desenvolvi de tal maneira na minha carreira técnica que hoje tenho encontrado barreiras para mostrar para as pessoas que me conhecem a mais tempo que podem confiar em minha capacidade de tratar com elas. O tempo passou e ainda ficaram algumas rugas por parte de passoas que guardam mais o estigma do que a capacidade de perdoar.

O que me faz contar esta história é exatamente isso: Como é importante saber lidar com pessoas. E como algumas pessoas se tornam verdadeiros “Heróis Anônimos”.

Não faz muito tempo aconteceu algo extremamente desagradável com um amigo próximo que até hoje não consigo esquecer. Ele ficou tão, mas tão aborrecido que pensei que ele não seguiria superar aquela chateação. Eu não passei pelo problema, mas pude fazer empatia com o sentimento dele de maneira que não sei qual seria a minha reação de tivesse no lugar dele.

Ele pretendia mudar de área, sair da equipe que trabalhava para ir trabalhar em outra equipe que significava pra ele uma melhora de função.  Fez todas as entrevistas e seguiu o procedimento conforme mandava os processo interno da empresa que ele trabalha. Ao final estava certo e pelo teor os interessados nele estava tudo certo. Só deveria ser liberado pela área onde trabalhava para começar na outra área... Assim pensava ele...

Percebendo ele que nada acontecia, resolveu ir questionar seu gerente o motivo pelo qual ele não poderia começar na outra área. O gerente querendo ser... e foi sincero até demais. Não fez a menor analise da situação no sentido de verificar o quanto aquilo poderia desmotivá-lo, chateá-lo, acertar a alma dele em cheio.

Ele ouviu:  “Vou ser sincero com você: Infelizmente naquela área sem chances pra você. Lá você não vai trabalhar. Tem algumas pessoas que estão lá que tem retrospectos negatívos a seu respeito, não gostam de você. E o gerente da área falou que não vai querer você trabalhando lá”.... Falou mais coisas e por fim para amenizar falou que teria um novo projeto onde pretendia que ele trabalhasse com ele.

Essa atitude do gerente foi tão marcante e tão forte para com esse meu amigo... Que ele ficou tão aborrecido que compartilhou seu sentimento com todos e acredito que foi essa atitude que fez com ele que superasse esse momento e continuasse.

Esse compartilhar com as outras pessoas e certamente com a esposa, parentes e amigos foram amenizando e facilitou a ele superar.


Não posso dizer que isso vai sair da vida dele da noite para o dia. Mas o fato dele superar e criar novos objetivos para provar que as pessoas que fizeram julgamento errado dele, principalmente porque eu conheço e tive a oportunidade de trabalhar com ele... Faz dele para mim: Um Herói Anônimo do nosso dia-a-dia.

Comentários

  1. Bom dia

    É essa conclusão de que a dedicação na área técnica pode tonar o relacionamento com pessoas um pouco difícil é uma verdade tanto que somente pessoas mais maduras chegam a essa conclusão. "Eu mesmo sou um deles, hehehehe"

    Quanto ao relato do ocorrido com o seu amigo é bem claro que faltou um pouco de tato do gerente dele ao justificar a reprovação de sua mudança de área.

    Mas acredito que independente do motivo as criticas mencionadas pelo gerente devem ser muito bem analisadas pelo seu amigo porque as vezes assumimos certas posturas na área profissional que são reprovadas por colegas de trabalho e se não aparecer alguém que seja sincero ao ponto de apontar estas "falhas" não tem como corrigir.

    ResponderExcluir
  2. O desenvolvimento profissional (técnico ou não) não transforma ninguém! Ou você tem tato no tratamento com pessoas, ou tu fez tipo por um tempo e depois a máscara caiu.
    O que pode acontecer, é passarmos por um período ruim, e em comsequência disso, não termos muita tolerância com as pessoas, mas, mudar o tratamento por conta da profissão, não acredito.
    No caso do teu amigo, achei ótima a forma como o gerente se reportou a ele, não fosse isso, ele estaria até agora esperando alguma coisa acontecer. Essa "paulada", foi uma mola propulsora para ele correr atrás do prejuízo e talvez até melhorar a forma de conduta. Acho perfeitamente natural ele se sentir mal nos primeiros momentos, pois não é legal ouvir críticas, mas passado algum tempo, o que se espera é uma melhora geral na pessoa, e parece que foi isso que aconteceu com teu amigo.
    E essa vai p/ ti, meu amigo: se alguém está reclamando de ti talvez esteja exigindo demais, ou vc está sem tempo, pq tenho certeza que tu tem sabedoria suficiente no trato com pessoas!
    Caramba! Olha eu aí elogiando alguém, sinta-se privilegiado!
    Em relação aos nossos grandes e anônimos heróis
    tenho dois muito especiais (dois seres iluminados) que me ensinaram coisas lindas que levo comigo até hoje: Cirão(meu pai) e Renatão (meu filho), ambos se foram, mas me deixaram grandes lições de vida!

    ResponderExcluir
  3. Adalba,
    Posso comentar esse post com conhecimento de causa, as quais ocorreram duas vezes na minha vida até o momento, a primeira passei por todas as fases para ir para outra área, e ao conversar com meu gerênte o mesmo informou que eu era imprecindível para a área dele, eu era tão bom no que fazia que ele não poderia me liberar para o outro departamento, fiquei quieto no momento, mas um mês após pedi a conta da empresa que trabalhava a 2 anos de meio e fui ser estagiário em outra empresa ganhando menos, mas com a consciência de que ser muito bom em um determinado departamento, pode trazer problemas também. A segunda vez não foi a muito tempo atrás, informei ao meu gerênte da vontade de ir para outro departamento, pois gostaria de conhecer um novo ambiente e crescer ainda mais profissionalmente, e ouvi do mesmo que se dependesse dele eu nunca seria liberado para ir atuar naquela área, mas uma vez me senti reprimido, por dar o melhor de mim e a consequencia é não ter a possibilidade de progredir, pena que dessa vez não valeria a pena pedir a conta, mas como o universo sempre conspira a nosso favor, fiquei pedindo para que algo mudasse na minha vida antes que eu tivesse que pedir a conta novamente, pois quem conhece a liberdade não vive preso, pois do contrário morre de depressão, meses depois houve um grande corte na empresa e eu fui um dos dispensados, no momento fiquei chateado, mas depois compreendi que isso era o meu desejo se manifestando, e hoje estou muito feliz com os novos desafios e a nova função que exerço, a qual me proporciona coordenar diversas pessoas, e sempre motivá-las a se superarem e nunca deixarem que outras pessoas as prejudiquem, sou muito aberto com minha equipe e eles comigo também.

    O mais importante é saber que nessa vida não temos limites, e por isso temos que ser responsáveis tanto conosco quanto com as demais pessoas, e bola pra frente!

    Um grande abraço

    Bruno

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você não gosta de ser fotografado.

Não poderia deixar de escrever esse texto... É mais um registro para pequenas coisas que acontecem em nossas vidas que merecem um registro para posteridade, ainda mais que temos tantas e tantas formas de manter nossas vidas registradas e compartilhadas. Oscar Niemeyer viveu 104 anos e faltando 10 dias para completar seus 105o. Aniversário, veio a falecer e deixou a seguinte mensagem: “... Porque eu acho que a vida é assim. A gente tem que separar as coisas. A vida é chorar e rir a vida inteira. Aproveitar os momentos de tranqüilidade e brincar um pouco. Depois, os outros é aguentar. A vida é um sopro né?”. Antigamente tirar uma fotografia era coisa tão cara que as fotografias eram póstumas. Essas fotos se chamavam Post Mortem. A foto era tirada da pessoa morta como se estive viva. Eles vestiam o morto e colocava em uma posição, como se estive vivo e fotografavam. Com o passar dos anos e a evolução tecnológica qualquer celular básico tem uma câmera. E os smartphones tem capacidade de tira…

Você sabe o que é miopia de alto grau? Fale como o Ramiro Diz.

Tenho um amigo que trabalha comigo que usa óculos desde de os sete anos de idade. Como ele morou  em Portugal... Seus parentes são portugueses.. Oras pois!

Ramiro Diz pá! é o nome do gagio!


Hoje, ele usa 22,0 graus de miopia. Me contou que usa óculos desde os 7 anos de idade. Seu grau de miopia nesta idade já chegava aos 12 graus.

Quando foi ao oftamologista pela primeira vez, este receitou inicialmente um grau abaixo do que ele usava para que se acostumasse com o óculos. Um pouco de psicologia infantil para ajudar o menino a enxergar e brincar.

Eu também sou miope, uso 4 graus de miope em ambos os olhos, comecei a usar óculos aos 18 anos  de idade, mas nestes números o Ramiro saiu na frente disparado logo ao 7 anos de idade... 12 graus! é muita coisa!

Mas graças a tecnologia podemos enxerga com tranquilidade, usando um belo e estiloso de um par óculos.

Hoje óculos é item de moda, tem muitas pessoas que usam a armação apenas como adereço... Isso mesmo! Usam o óculos sem grau! Só pra f…

MATANDO UM LEÃO POR DIA...

Eu gosto de escrever meu próprios artigos, mas algumas vezes recebemos alguns emails que trazem consigo uma lição de vida tão interessante, que alguns que recebo, passei a colocá-los no Blog. 
Eu estava na casa da Minha Elaine, quando ela começou a ler o texto em voz alta, estando ela sentada no chão na sala. Não posso negar que ela me conhece bem, tenho certeza que ela o fez sabendo que isso iria me chamar a atenção. Pensei... Por traz deste texto tem algo interessante. Assim que ela terminou o texto, falei: Manda pra mim por favor?
Bom... Veja o texto na integra...

MATANDO UM LEÃO POR DIA ... Em vez de matar um leão por dia, aprenda a amar o seu. Por Pierre Schurmann
Outro dia, tive o privilégio de fazer algo que adoro: fui almoçar com um amigo, hoje chegando perto de seus 70 anos. Gosto disso. São raras as chances que temos de escutar suas histórias e absorver um pouco de sabedoria das pessoas que já passaram por grandes experiências nesta vida.
Depois de um almoço longo, no qual falamos…