quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

A Kombi

Quando eu era pequeno, infelizmente não sei exatamente quando, mas vamos contar este pedaço da minha vida.

Meu papai havia crescido muito financeiramente e estava muito feliz com o feito, mas devido a sua soberba, ele se envolveu com pessoas que só tinha interesse no dinheiro que ele ganhou. Nesta linha ele começou a dar dinheiro para seus funcionários, os peões das obras, sem cobrar documentação ou comprovante do dinheiro pago.

Seus funcionários começaram a perceber que meu papai tinha o coração bom e não tinha muita malícia, quando chegava a data de pagamento do salário, muitos funcionários desonestos falavam que não havia pego dinheiro algum com meu papai e neste ponto começavam a brigar com meu papai para sair da obra e assim, já que estavam brigados com meu papai, poderiam processá-los e cobrar novamente o valor que meu papai já havia pago, só que agora com juros e uma série de “direitos” que lhe seria devido pelo prazo de corrido.

Não demorou muito meu papai foi processado por vários funcionários e os seus bens começaram a ser penhorados pela justiça para fazer o pagamento dos vencimentos de seus funcionários.  

Com um processo atrás do outro não demorou muito meu papai e nós fomos despejados do apartamento que morávamos e meu papai ficou sem nada.

Não sei como meu papai fez, mas fomos parar em um apartamento na Avenida Mercúrio, em frente ao viaduto Diário Popular, próximo ao Palácio da Indústria, sede da prefeitura de São Paulo no governo da prefeita Luiza Herundina.

Meu papai precisava começar novamente e não tinha como fazer senão trabalhar com aquilo que tivesse a mão e foi o que aconteceu. Meu papai conseguiu comprar uma perua Kombi totalmente batida por um preço muito irrisório.

Fechou se com esta perua em uma oficina que um amigo havia arrumado e com suas próprias mãos, sem conhecer nada de funilaria, conseguiu arrumar a perua e saiu da oficina para fazer carretos para lojas com o Carrefour.

E começou a levantar sua vida novamente até voltar para as obras novamente.

Esta é a história da Kombi.


Nenhum comentário:

Postar um comentário