Pular para o conteúdo principal

Simplesmente Meu Pai, Sr. Amâncio.

Meu Pai nasceu em Buique, uma cidade do Estado de Pernanbuco. Quiz o destino que esta também fosse a cidade da minha ex-sogra, ambos já falecidos.

Contava Meu Pai que sempre vinha a São Paulo fazer juntamente com meu avô e outros tios, o arrendamento de fazendas para fazer o plantio de algodão.

Quando terminava a safra, faziam o pagamento do arrendamento e voltavam para Pernambuco e assim viviam. Contava também que a vida era sacrificada, mas sempre valia a pena. Meu avô voltava para Pernambuco e lá comprava e fartava em grande quantidade as coisas para todos. Sempre voltavam felizes para casa.

Numa destas vindas a São Paulo, Meu Pai contou que ouve uma grande praga de gafanhos na plantação de algodão do vizinho. Neste mesmo dia chovia muito e meu avô deu ordem para que Meu Pai e os meus tios fossem combater a praga, caso contrário, se perderia todo o trabalho feito. Entraram no galpão e pegaram as bombas com veneno para matar os gafanhos. Eram daquelas bombas que prendiam nas costas e tinha uma alavanca ao lado, com uma mão direcionava o spray e com a outra fazia o bombeamento.  E sairam cobrindo a plantação com veneno. Como chovia e tudo ficou uma nuvem só, a ponto de não saber o que era chuva e o que era veneno, contava Meu Pai que um dos meus tios inalou muito veneno.

Quando foram guardar as bombas, pediu meu avô a todos que tomassem leite para cortar o veneno, mas este meu tio estava muito cansado e não quis tomar. Decidiu ficar descançando um pouco. Contou Meu Pai que ao voltar pro galpão viu que meu tio estava passando mal, chamou meu avô e quando ele chegou infelizmente já era tarde, vindo a falecer nos braços de Meu Pai.

Ficaram muito triste, largaram tudo e voltaram para Pernambuco sem nada e sem o tio, que enterraram em São Paulo mesmo. 

Contava Meu Pai que ao chegar em Pernambuco, ele não queria mais ficar por lá e meu avô não queria mais voltar a São Paulo, ambos pelo mesmo sentimento de falta do meu tio falecido. Meu Pai decidiu conversar com minnha avó que deu apoio a ele disse para voltar então para São Paulo.

Subiu Meu Pai em um caminhão pau-de-arara e veio para São Paulo.

Chegando aqui foi trabalhar na construção civil.

Este era o destino certo de quem vinha do norte-nordeste para São Paulo naquela época: Trabalhar na construção civil. Por esta época Meu Pai tinha 18 anos, segundo ele mesmo, então o ano era 1958.

Nunca tive a oportunidade de conhecer, nenhum dos parentes de meu pai para saber a versão deles dessas historia. Meu Pai sempre foi muito orgulhoso e acreditava que por ter vindo a São Paulo, sozinho deveria voltar para Pernambuco com muito dinheiro para que seus parente tivessem orgulho dele. Infelizmente Meu Pai faleceu e não conseguiu realizar este sonho, mas realizou muitos outros. Teve três filhos e viveu pra ver seus netos.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você não gosta de ser fotografado.

Não poderia deixar de escrever esse texto... É mais um registro para pequenas coisas que acontecem em nossas vidas que merecem um registro para posteridade, ainda mais que temos tantas e tantas formas de manter nossas vidas registradas e compartilhadas. Oscar Niemeyer viveu 104 anos e faltando 10 dias para completar seus 105o. Aniversário, veio a falecer e deixou a seguinte mensagem: “... Porque eu acho que a vida é assim. A gente tem que separar as coisas. A vida é chorar e rir a vida inteira. Aproveitar os momentos de tranqüilidade e brincar um pouco. Depois, os outros é aguentar. A vida é um sopro né?”. Antigamente tirar uma fotografia era coisa tão cara que as fotografias eram póstumas. Essas fotos se chamavam Post Mortem. A foto era tirada da pessoa morta como se estive viva. Eles vestiam o morto e colocava em uma posição, como se estive vivo e fotografavam. Com o passar dos anos e a evolução tecnológica qualquer celular básico tem uma câmera. E os smartphones tem capacidade de tira…

Você sabe o que é miopia de alto grau? Fale como o Ramiro Diz.

Tenho um amigo que trabalha comigo que usa óculos desde de os sete anos de idade. Como ele morou  em Portugal... Seus parentes são portugueses.. Oras pois!

Ramiro Diz pá! é o nome do gagio!


Hoje, ele usa 22,0 graus de miopia. Me contou que usa óculos desde os 7 anos de idade. Seu grau de miopia nesta idade já chegava aos 12 graus.

Quando foi ao oftamologista pela primeira vez, este receitou inicialmente um grau abaixo do que ele usava para que se acostumasse com o óculos. Um pouco de psicologia infantil para ajudar o menino a enxergar e brincar.

Eu também sou miope, uso 4 graus de miope em ambos os olhos, comecei a usar óculos aos 18 anos  de idade, mas nestes números o Ramiro saiu na frente disparado logo ao 7 anos de idade... 12 graus! é muita coisa!

Mas graças a tecnologia podemos enxerga com tranquilidade, usando um belo e estiloso de um par óculos.

Hoje óculos é item de moda, tem muitas pessoas que usam a armação apenas como adereço... Isso mesmo! Usam o óculos sem grau! Só pra f…

MATANDO UM LEÃO POR DIA...

Eu gosto de escrever meu próprios artigos, mas algumas vezes recebemos alguns emails que trazem consigo uma lição de vida tão interessante, que alguns que recebo, passei a colocá-los no Blog. 
Eu estava na casa da Minha Elaine, quando ela começou a ler o texto em voz alta, estando ela sentada no chão na sala. Não posso negar que ela me conhece bem, tenho certeza que ela o fez sabendo que isso iria me chamar a atenção. Pensei... Por traz deste texto tem algo interessante. Assim que ela terminou o texto, falei: Manda pra mim por favor?
Bom... Veja o texto na integra...

MATANDO UM LEÃO POR DIA ... Em vez de matar um leão por dia, aprenda a amar o seu. Por Pierre Schurmann
Outro dia, tive o privilégio de fazer algo que adoro: fui almoçar com um amigo, hoje chegando perto de seus 70 anos. Gosto disso. São raras as chances que temos de escutar suas histórias e absorver um pouco de sabedoria das pessoas que já passaram por grandes experiências nesta vida.
Depois de um almoço longo, no qual falamos…