Pular para o conteúdo principal

Simplesmente Meu Pai, Sr. Amâncio.

Meu Pai nasceu em Buique, uma cidade do Estado de Pernanbuco. Quiz o destino que esta também fosse a cidade da minha ex-sogra, ambos já falecidos.

Contava Meu Pai que sempre vinha a São Paulo fazer juntamente com meu avô e outros tios, o arrendamento de fazendas para fazer o plantio de algodão.

Quando terminava a safra, faziam o pagamento do arrendamento e voltavam para Pernambuco e assim viviam. Contava também que a vida era sacrificada, mas sempre valia a pena. Meu avô voltava para Pernambuco e lá comprava e fartava em grande quantidade as coisas para todos. Sempre voltavam felizes para casa.

Numa destas vindas a São Paulo, Meu Pai contou que ouve uma grande praga de gafanhos na plantação de algodão do vizinho. Neste mesmo dia chovia muito e meu avô deu ordem para que Meu Pai e os meus tios fossem combater a praga, caso contrário, se perderia todo o trabalho feito. Entraram no galpão e pegaram as bombas com veneno para matar os gafanhos. Eram daquelas bombas que prendiam nas costas e tinha uma alavanca ao lado, com uma mão direcionava o spray e com a outra fazia o bombeamento.  E sairam cobrindo a plantação com veneno. Como chovia e tudo ficou uma nuvem só, a ponto de não saber o que era chuva e o que era veneno, contava Meu Pai que um dos meus tios inalou muito veneno.

Quando foram guardar as bombas, pediu meu avô a todos que tomassem leite para cortar o veneno, mas este meu tio estava muito cansado e não quis tomar. Decidiu ficar descançando um pouco. Contou Meu Pai que ao voltar pro galpão viu que meu tio estava passando mal, chamou meu avô e quando ele chegou infelizmente já era tarde, vindo a falecer nos braços de Meu Pai.

Ficaram muito triste, largaram tudo e voltaram para Pernambuco sem nada e sem o tio, que enterraram em São Paulo mesmo. 

Contava Meu Pai que ao chegar em Pernambuco, ele não queria mais ficar por lá e meu avô não queria mais voltar a São Paulo, ambos pelo mesmo sentimento de falta do meu tio falecido. Meu Pai decidiu conversar com minnha avó que deu apoio a ele disse para voltar então para São Paulo.

Subiu Meu Pai em um caminhão pau-de-arara e veio para São Paulo.

Chegando aqui foi trabalhar na construção civil.

Este era o destino certo de quem vinha do norte-nordeste para São Paulo naquela época: Trabalhar na construção civil. Por esta época Meu Pai tinha 18 anos, segundo ele mesmo, então o ano era 1958.

Nunca tive a oportunidade de conhecer, nenhum dos parentes de meu pai para saber a versão deles dessas historia. Meu Pai sempre foi muito orgulhoso e acreditava que por ter vindo a São Paulo, sozinho deveria voltar para Pernambuco com muito dinheiro para que seus parente tivessem orgulho dele. Infelizmente Meu Pai faleceu e não conseguiu realizar este sonho, mas realizou muitos outros. Teve três filhos e viveu pra ver seus netos.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você não gosta de ser fotografado.

Não poderia deixar de escrever esse texto... É mais um registro para pequenas coisas que acontecem em nossas vidas que merecem um registro para posteridade, ainda mais que temos tantas e tantas formas de manter nossas vidas registradas e compartilhadas. Oscar Niemeyer viveu 104 anos e faltando 10 dias para completar seus 105o. Aniversário, veio a falecer e deixou a seguinte mensagem: “... Porque eu acho que a vida é assim. A gente tem que separar as coisas. A vida é chorar e rir a vida inteira. Aproveitar os momentos de tranqüilidade e brincar um pouco. Depois, os outros é aguentar. A vida é um sopro né?”. Antigamente tirar uma fotografia era coisa tão cara que as fotografias eram póstumas. Essas fotos se chamavam Post Mortem. A foto era tirada da pessoa morta como se estive viva. Eles vestiam o morto e colocava em uma posição, como se estive vivo e fotografavam. Com o passar dos anos e a evolução tecnológica qualquer celular básico tem uma câmera. E os smartphones tem capacidade de tira…

DesCorretor Ortográfico

Essa coisa de usar corretor ortográfico no celular ainda vai causar confusões e confusões das graves. Se é que já não andou causando por ai. É muito útil, mas uma pequena falta de atenção ou pressa... E tudo pode sai errado. Lembro-me que fui comprar uma capinha de celular com minha filha e como ela gostou muito do que comprou, acho que deveria enviar uma mensagem para a amiga. Antes de enviar a foto da capinha mandou a mensagem: “Menina! Comprei uma calcinha que você precisa ver que linda!” A amiga respondeu na hora “Nossa me conta?! Tenho muitas ousadas.” Quando ela leu a resposta percebeu que havia algo errado com a mensagem que havia passado. Voltou na mensagem e percebeu que o Corretor Ortográfico havia “caído na água”... Tipo um Gremlins... Virou do mal! Escreveu tudo errado. Trocou a palavra “capinha” por “calcinha”. E não foram um, nem duas, mas diversas vezes que tive que voltar no meu twitter e apagar o que twittei por conta de erros grosseiros provocados pelo “Descorretor” Ortográf…

As tartarugas

Estava conversando com os colaboradores da empresa e explicando da necessidade que existe na empresa de sermos “multi-tarefas”. Embora esse conceito seja discutível, a ideia foi falar a respeito da necessidade de dar continuidade a uma outra tarefa quando por algum motivo a tarefa em execução é interrompida por n motivos (dependência de atuação de outra área, compra ou entrega de um novo componente entre outros). Trabalhamos em duas frentes: On-going (atendimento de tickets) e Delivery (atendimento a atividades de projetos).
Em meio a explicação, um dos colaboradores experiente em Delivery, fez uma metáfora referente as atividades de um modo geral que achei fantástica. Achei interessante e achei por bem escrever.
Nas palavras dele foi assim descrito: A situação é a seguinte: Você tem que tomar conta de cinco tartarugas. Uma tartaruga sai andando. Você pega a tartaruga e coloca de volta no lugar. E fica de olho nas outras. Assim vai...
A tartaruga dois sai. A três sai. A quatro e a cinco sa…

Ficha de consumação psicografada

Não tenha dúvida que algumas coisas só acontecerão na sua vida por que você tem amigos. Ainda mais amigos que cresceram juntos a você e não perderam a “criança interior” e sabem brincar como se o tempo não tivesse passado. Conheço pessoas que são assim. Tem amigos antigos, amigos que permitem memoráveis “sacanagens”, sem duplo sentido. Contou um deles assim... Tenho um amigo que é muito sacana. Todas as vezes que saímos pra balada, ele fica pedindo que você compre as coisas pra ele. Sempre foi assim. Somos uma turma de amigos que cresceu juntos e não tem jeito. Sempre... Sempre... Sempre... O cara vem com algo do tipo: Esqueci meu cartão, meu cartão foi bloqueado, paga ai que depois eu faço a sua. Não faz muito tempo, todo mundo foi na balada e dele deixou a comanda saindo da calça. Um dos meus amigos foi lá e pegou a comanda sem ele ver. Sentamos todos na mesa e mal deu tempo de esquentar a cadeira, já saiu pedindo: - Paga uma bebida ai pra mim?! O camarada que estava com a comando, falou: - …

Aprendendo pela simplicidade

Me peguei pensando em uma das muitas conversas que tenho com as pessoas com quem trabalho. Percebi que em um dado momento da conversa a pessoa com quem falava ficou muito triste. E aquilo me incomodou, pois achei que deveria fazer algo para reverter aquele sentimento, visto que no ar vinha um sopro de inconformidade do qual acreditei que seria duro reverter, mas que não poderia desistir. Afinal é meu papel motivar as pessoas. Sempre acreditei nisso. Independente da minha função, do meu trabalho. Como um ser humano que se incomoda com o próximo, é função, é papel dele fazer algo. Entre outras conversas falei: “Você precisa entender que não são os tombos que você tomou que irão determinar sua vitória ou derrota. Mas sim, sua capacidade de se manter em pé, de se levantar a cada tombo”. É mais uma daquelas frases motivacionais do personagem Rocky Balboa em seus “Rocky Balboa inspirational speech”. Ao ouvir essa frase a pessoa parou, me olhou fixo e disse: Esta não é a primeira vez que caio,…